Data
Título
Take
25.12.09

Respondendo á iniciativa lançada por Flavio Gonçalves do Flavio’s World e Roberto F.A. Simões do Cineroad, sobre a escolha das dez melhores obras da década 2000 – 2009. Porém como devem perceber é muito difícil escolher assim do nada, os dez filmes e ordena-los por qualidades, já que inúmeras obras marcaram diferentes anos, diferentes pessoas e exibiram distintas visões. Por isso decidi eleger as obras mais marcantes de cada ano, na minha humilde opinião, eis:

 

ANO 2000 – Memento (Christopher Nolan)

Hipnotizante, Nolan estreia aqui com uma narrativa insólita e revolucionaria seguindo a historia de trás para a frente, mas sempre preservando o clímax de um base linear e clássica. Foi também o filme que lançou Guy Pearce, apesar nestes últimos tempos o actor tem estado um pouco á nora com os projectos.

 

ANO 2001 – The Lord of the Rings – The Fellowship of the Ring (Peter Jackson)

Jackson acabado sair do cinema trash e gore, concretiza a proeza de transportar o clássico da literatura de J. R. R. Tolkien para a grande tela e com a fidelidade preservada. Não só o realizador criou uma linguagem semi-perdida desde Gone With The Wind, como também a ressuscitação de um género, o verdadeiro épico. Esta jornada ao anel amaldiçoado (ou abençoado) teve dois segmentos em 2002 e 2003, tão bons como esta obra-prima do cinema. Lirismo, fantasia e muita aventura.

 

ANO 2002 – 25th Hour (Spike Lee)

Spike Lee é na opinião um realizador com demasiado ódio no coração para falar de temas como racismo e discriminação, porém este 25th Hour foi o seu filme mais inspirado. Edward Norton consegue um dos melhores desempenhos da sua carreira numa personagem que se encontra no limiar do bem e do mal, o ódio dessa mesma reflecte-se na do autor (Spike Lee) que a equilibra com uma América pós-11 de Setembro. São filmes como este que apercebemos que não existe nem Bem, nem Mal, mas sim escolhas e todos fazemos uma …

 

ANO 2003 – Oldboy (Chan-Wook Park)

Chan-wook Park recria o segundo capítulo da sua trilogia de vingança, desta vez utilizando por base uma famosa manga japonesa. Assim sendo temos uma função perfeita entre o toque nipónico com o cinema coreano, dando origem a um dos filmes mais fantásticos e surpreendentes importados do Oriente. Incrível visão de violência.

 

ANO 2004 – The Village (M. Night Shyamalan)

No final da década 90 o autor teve o seu auge como realizador e argumentista com The Sixth Sense, que assustou e surpreendeu audiências, porém é com The Village que Shyamalan desafia o publico para um jogo de ilusões, mas sempre com tino para as paranóias pós-11 de Setembro. O filme foi incompreendido nos EUA (como sempre), mas não deixa de ser dos melhores do realizador como também da década.

 

ANO 2005 – The Brokeback Mountain (Ang Lee)

Polémicas á parte, The Brokeback Mountain é sim, um dos maiores romances da década e de que o cinema nos deu. Homossexualidade é transcrito com delicadeza e sensibilidade pelo chinês Ang Lee e Heath Ledger compõe o Melhor Papel da sua carreira (eu sei que em The Dark Knight também está fenomenal). Cinema belo e sem tabus.

 

ANO 2006 – Little Miss Sunshine (Jonathan Dayton, Valerie Faris)

Quem é que disse que o êxito cinematográfico tem que ser só efeitos especiais, sucessos literários e sequelas, e porque não uma obra completamente independente. Little Miss Sunshine foi dos filmes indies mais bem sucedidos de sempre, foi também o filme que lançou os jovens actores Paul Dano e Abigail Breslin, e fez com que Alan Arkin (muito esquecido na altura) vencesse o seu Óscar de Melhor Actor Secundário. Um road trip cheio de comédia, drama e uma família igual a tantas outras.

 

ANO 2007 – Into The Wild (Sean Penn)

O regresso impensável do Homem á Natureza foi motive o suficiente para o actor e agora realizador Sean Penn transmitir para a grande tela a verdadeira alma selvagem do ser humano. Um filme que consagrou Emile Hirsch como um futuro grande actor e que nos presenteou de belíssimas paisagens do que ainda de selvagem resta o nosso Mundo. Uma obra-prima para a posteridade.

 

ANO 2008 – Gran Torino (Clint Eastwood)

Se Eastwood é uma das lendas vivas do cinema, então Gran Torino poderá ser de facto o honorário legado. Um filme simplista que nos remete a todos os tiques possíveis do cinema de Eastwood, e que nos confronta com a ousadia e da sabedoria de um velho e grandioso actor. Comovente o quanto basta, duro quando é preciso, Gran Torino é sim, o mais recente clássico.

 

ANO 2009 – Inglourious Basterds (Quentin Tarantino)

Foi muito difícil seleccionar um filme marcante neste ano que está quase a terminar, mas Inglourious Basterds foi talvez o fenómeno cinematográfico mais á conta. Longe da pirotecnia do maior êxito do ano – Transformers – The Revenge of the Fallen, da revolução técnica de Avatar, do histerismo de New Moon e do sucesso de Angels and Demons, The Inglourious Basterds triunfa porque simplesmente quer contar uma história com toda a originalidade e toque que Tarantino sempre nos habituou. Não é por nada, mas com este conto ambientando na “Guerra Nazi”, temos a sensação que ficaremos com um actor para a próxima década – Christoph Waltz.

 

Ver Também

The Village (2004)

The Brokeback Mountain (2005)

Into The Wild (2007)

Gran Torino (2008)

Inglourious Basterds (2009)

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 19:11
link do post | comentar | partilhar

7 comentários:
De Tiago Ramos a 25 de Dezembro de 2009 às 20:43
Excelentes escolhas! São todos eles óptimos filmes!


De Filipe Coutinho a 25 de Dezembro de 2009 às 22:07
Gostei muito de ver a inclusão do The Village, filme infinitamente subvalorizado. De resto, bom top.

Abraço


De Hugo Gomes a 26 de Dezembro de 2009 às 00:17
Muito Obrigado, quanto a Village, confesso que a primeira que o vi tb fiquei desiludido, mas porque julgava se tratar de outro genero, porém de seguida começei a gostar do filme, pelas interpretações e pelo ilusivo argumento. M. Night Shyamalan é subvalorizado á força toda, mas as suas obras são de tamanha destreza (talvez só the Happening é que falhou em termos de logica)


De Roberto Simões a 26 de Dezembro de 2009 às 00:53
urgente

Hugo, gostava que me enviasses o teu e-mail para o geral.cineroad@hotmail.com

de modo a participar na tua iniciativa do CINEbloggers. Não sei como arranjar o teu e-mail, por isso fiz-te um comentário com as minhas votações, mas pensei que não fosse publicado. Não é que tenha problemas em revelar as minhas votações, mas não acho eticamente muito bonito. Se possível, elimina esse comentário meu, por favor. Obrigado.


De Nekas a 26 de Dezembro de 2009 às 01:35
Excelente escolhas!

Devo dizer que coincidimos bastante com as nossas escolhas!

Abraço
http://nekascw.blogspot.com/


De José Santos a 20 de Fevereiro de 2010 às 16:18
Boas,

Descobri recentemente este blog e queria dar-te os meus mais sinceros parabéns, pois está bastante bom.

Gostei muito das tuas escolhas, mas não resisto em falar em outros filmes que também me marcaram bastante nestes anos, como por exemplo:
Requiem for a dream
Babel
21 Gramas

E depois muitos dos meus preferidos já ai estão na tua lista.

Continua o excelente trabalho que tens feito.

Abraço
Zé miguel


De Bea S. a 15 de Setembro de 2010 às 15:11
Finalmente!
Alguém que consegue ver além dos tabus e preconceitos e dizer que sim, realmente 'O Segredo de Brokeback Mountain' é um bom filme (sou um pouco suspeita pois é o meu filme preferido).


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Conheçam a programação do...

Trailer: Suburbicon, Geor...

Valerian and the City of ...

Animação portuguesa no fe...

Trailer: Iceman, um crime...

10 anos de Cinematografic...

Sarah Paulson em sequela ...

Quote #6: André Bazin

Michelle Pfeiffer e Laure...

Morreu John Heard, actor ...

últ. comentários
Mesmo sem dar o feedback merecido (cada vez mais n...
A tua "criatura" ganhou vida e já alcançou uma efe...
Nóbrega, mas Nolan não é Deus, tem o direito de er...
Até entendo o ódio de uns críticos contra Shyamala...
Cinquenta tons de anônimo
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO