Data
Título
Take
4.1.09

Cinema urgente. A Dança da Morte!

 

Muitas vezes o cinema tem necessidade de afirmar, denunciar, tomar a sua posição, mostrar horrores e testemunhar consciências, a isto chama-se filme-denúncia, que tem o intuito de exibir o que de errado e desumano ocorre no Mundo (reconhecendo que todo o cinema é militante). Claro que nos tempos que decorrem são diferentes do outrora e no que requer a denunciar temos assim a televisão, nomeadamente os telejornais que criavam e recriavam sensacionalismo nos temas mais preocupantes.

 

2637115_IwDHw.jpeg

 

Mas será que existe algo mais vulgar que um telejornal? Claro que não, e conforme seja o destaque da notícia como é o caso dos intensivos confrontos na faixa de Gaza ou das atrocidades cometidas no Médio Oriente, um simples espectador apenas o encarará como uma informação daquilo que decorre num canto longínquo da Terra, nada mais, sem o intuitivo de comover-se ou demonstrar disposto para uma futura intervenção. Relembro uma personagem de Joaquim Phoenix no filme de Terry GeorgeHotel Rwanda, que perante uma conclusiva reportagem sobre um genocídio com o intuito de ser exibido num dito telejornal, cita o seguinte: “I think if people see this footage, they'll say Oh, my God, that's horrible. And then they'll go on eating their dinners".

 

2637117_aBotO.jpeg

 

Ao contrário dos filmes-denúncia ainda temos os testemunhos em forma de película, relatos de vivências que na actualidade parecem ser motivo para a concepção de novas animações convencionais, Waltz with Bashir, de Ari Folman, é um narro na primeira pessoa que se assume algo entre o documentário ficcional dos massacres ocorridos em Beirute, Líbano, levada a cabo por soldados falangistas cristãos e tropas israelitas, o qual Ari Folman  (realizador e protagonista) integrava. O massacre foi cometido de forma bárbara, matando milhares de palestinos civis e fazendo com que inúmeros jovens soldados de Israel quisesse forçosamente esquecer o sucedido. Uma das nódoas da história do século XX, contada, testemunhada por um “filho de Israel” como se uma confissão tratasse. A verdade é que não haveria melhor altura para o filme ter surgido nas nossas salas, num momento em que os conflitos na faixa de Gaza, israelita contra palestinianos, parecem intensificar-se dia-a-dia. Waltz with Bashir tem o mérito de não escolher lados, de não encaminhar o espectador para um culpado e de não recorrer a mediatismo nem sensacionalismoao sucedido, o que este documentário misto animação consegue fazer com o espectador é lançar um «BASTA”, um apelo ao fim de um confronto que parece virar rotina nos telejornais e no Mundo que encara como tal.

 

WaltzWithBashir_6.jpg

 

Poderá assemelhar-se ao aclamado Persepolis, mas ao contrário da fita da autoria de Marjane Satrapi, que se concentra como um testemunho animado aos tons de preto-e-branco no que requer a denunciar, incapaz de evitar os maniqueísmos, em Waltz with Bashir não existe tempo para julgamentos. A animação é talvez das mais vivas e artísticas do novo milénio, esquecendo um pouco do lançamento em massa dos gráficos digitais, a sua narrativa via documental é um dos exemplos mais proeminentes de que o cinema encontra-se em pleno movimento e em evolução. As cenas animadas são surpreendentemente vitalícias, exibindo algum humor negro a criar um mise-en-scené incontornável, e uma noção histórica imaculada onde qualquer pormenor não é deixado para trás.

 

WaltzWithBashir_1.jpg

 

Foi com a valsa por Bashir que encontrou-se a graciosidade da esperança, essa, de um dia de dois povos viverem em coexistência harmoniosa e não em eterno conflito. Obviamente, essa noção é do mais ingénuo possível e do mais ignorante em relação a qualquer conotação politica e à heterogeneidade idealista. No final ainda há tempo para comoções, porque o cinema tem esse poder, essa vontade e força. O Médio Oriente é por fim encarado com outro olhar e atitude. Foram cerca de duas horas tenebrosas, nesta “A Lista de Schindler” da animação.  

 

PS –  O Bashir do título é referente a Bashir Gemayel, um comandante das forças milícias falangistas que subiu à presidência do Líbano, mas cujo seu assassinato foi catalisador dos massacres representados no filme, o título por inteiro é a alusão a uma cena da película em que exibe um soldado israelita a “enfrentar a morte”, disparando sobre o inimigo em terreno aberto, e para evitar as balas dos palestinos, movimentava-se hiperactivamente. Tais movimentos soavam que nem uma dança, por outras palavras uma valsa, Bashir deve-se ao enorme cartaz que se encontrava no momento da sequência. 

 

 

Real.: Ari Folman / Int.: Ron Ben-Yishai, Ronny Dayag, Ari Folman

 

xecyy0zo3hkkdzf0hyxs.jpg

 

 

 

O melhor – A atribuição de responsabilidades levado a cabo pela fita sem nunca recorrer ao maniqueísmo

 

O pior – O facto de ser uma animação e ter sido ignorado pela grande cadeia de cinemas, irá fazer com que Waltz with Bashir não encontre o seu público merecido.

 

Recomendações – Persepolis (2006), Grave of the Fireflies (1988), Apocalypse Now (1979)

 

 

 

10/10

publicado por Hugo Gomes às 19:36
link do post | comentar | partilhar

3 comentários:
De Filipe Coutinho a 4 de Janeiro de 2009 às 21:42
Fiquei surpreendido com a tua nota. Já sabia que era um bom filme mas não pensei que fosse assim tanto. Infelizmente vai ser mais um que, à partida e infelizmente, nao poderei ver.

ABraço


De Hugo Gomes a 5 de Janeiro de 2009 às 21:08
Mas quando tiveres oportunidade de ver, vê, vale mesmo a pena


De thesubsidal a 6 de Janeiro de 2009 às 01:38
10!!!

Tenho mesmo que ver o filme!

Abraço!


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Trailer de Ghostland, o n...

Clive Owen junta-se a Wil...

Leonardo DiCaprio protago...

John Wick será série de t...

Quote #09: Body Snatchers...

Jeanne! será o próximo fi...

Pop Aye (2017)

Quote #8: All Abou Eve (J...

Pinhead de regresso! Divu...

Primeiro vislumbre de Joh...

últ. comentários
Este gênero nunca foi um dos meus preferidos, póre...
Concordo, "Índice Médio de Felicidade" e "Malapata...
O "São Jorge" é até agora o meu preferido, mantend...
Vi hoje, Robert Pattinson no seu melhor! Que venha...
Uma das maiores surpresas do ano, mesmo sendo do W...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO