Data
Título
Take
1.12.08

Mantendo o legado vivo!

 

Como diria a famosa música da banda portuguesa GNRE com dezasseis, já falta pouco para sentir os noventa e seis”, é o peso da idade e a experiência dada pelo melhor dos professores, a vida, que Manoel de Oliveira explora as personagens do clássico de Luis Buñuel, Belle de Jour  (1967), um obra ousada para o seu tempo que alinda uma mulher casada que por puro masoquismo vira prostituta nos tempos livres, sobretudo sob o desejo de trair seu marido, abordagem é passado 39 anos desde o filme protagonizado por Catherine Deneuve. O centenário realizador português aproveita as personagens e situações deixadas em 1967 e analisa-as numa visão ou provocação dos actos cometidos do filme anterior. Michel Piccoli regressa ao seu velho papel, Henry Husson, logicamente com idade avançada, que inesperadamente reencontra-se com Séverine Serize (Bulle Olgier que substitui Deneuve) durante um recital de música clássica. Desde então Husson a persegue para rever a sua velha paixão, enquanto a única coisa que motiva Serize a vê-lo é saber exactamente o que ele disse ao seu marido quando este encontrava-se mudo e paraplégico devido a um tiro por um amante dela. Tais palavras continuam a ser um mistério para ela.

 

 

Belle Toujour é um filme belo, poderemos considerar assim, quer visualmente (uma fotografia sensível a sombras, as paisagens parisienses e os frames quase cénicos), quer narrativamente (simples, lento e sedutor), é no geral uma descrição de vetustez, decadência e esquecimento, um abraço entre o passado e o futuro o qual Oliveira invoca fantasmas e um senso de desmitificar uma obra pessoal para que este resulte numa espécie de “brincadeira manipuladora”. Contudo temos a sensação que o realizador não é nenhuma criança, conhecendo os seus limites da sua integridade e a da obra de Buñuel como a dele, ou seja, este preserva o mistério envolto de Belle de Jours e as suas preceituas. O que no geral faz com que Oliveira provoque o espectador em encobrir as lacunas deixadas pelo mesmo, mas nunca desfechar-se por si próprio, o estatuo de Belle de Jours está salvo e como ela a fita Belle Toujours ganha um propósito; manter o filme de 1967 vivo, a respirar a sua próprio e respeitável notoriedade.

 

 

Como é de esperar, sendo um filme de Manoel de Oliveira, existem diversas sequencias mortas que só servem de entulho para uma obra de curta duração (68 minutos de filme para ser exacto), contudo é no realismo temporal que o filme vinga-se, tentando sempre manter uma linha de mise en scené sem cortes bruscos. Previsivelmente, Ricardo Trêpa veio com Oliveira, aqui desempenhando um barman fascinado na história de Husson, numa ofuscada prestação, prejudicado também por uma irrealidade e pretensiosismo dos diálogos que motivam a algumas cenas disparatadas, como as frases sem diversidade dada pelos garçons no último acto. Outro factor, não negativo, mas ilusório é o facto de Bulle Olgier não ser uma Catherine Deneuve, e a sua troca não é das melhores no que se compara a beleza e talento. Mesmo sendo uma obra imperfeita este é um filme singular na história do cinema de Portugal e do culto mundial.

 

Real.: Manoel De Oliveira / Int.: Michel Piccoli, Bulle Ogier, Ricardo Trêpa

 


 

O melhor –  A preservação da obra de Luis Muñuel

O pior –  as cenas mortas

 

Recomendações – Venus (2006), Belle de Jours (1967), Lost in Translation (2003)

 

 

8/10

publicado por Hugo Gomes às 06:40
link do post | comentar | partilhar

1 comentário:
De Filipe Coutinho a 1 de Dezembro de 2008 às 15:16
Isso é quefoi escrever estes dias :p Muito bem. Estás cheio de pica.

Não vi o filme de facto. Nunca fui muito cativado pela obra de Manoel de Oliveira. Não obstante este facto, deverei começar a entrar no seu mundo brevemente.

Abraço


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Clive Owen junta-se a Wil...

Leonardo DiCaprio protago...

John Wick será série de t...

Quote #09: Body Snatchers...

Jeanne! será o próximo fi...

Pop Aye (2017)

Quote #8: All Abou Eve (J...

Pinhead de regresso! Divu...

Primeiro vislumbre de Joh...

QUOTE #7: Pauline Keal

últ. comentários
Este gênero nunca foi um dos meus preferidos, póre...
Concordo, "Índice Médio de Felicidade" e "Malapata...
O "São Jorge" é até agora o meu preferido, mantend...
Vi hoje, Robert Pattinson no seu melhor! Que venha...
Uma das maiores surpresas do ano, mesmo sendo do W...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO