Data
Título
Take
22.11.08

I like to Move it!

 

A Dreamworks Animation Studios conseguiu alcançar o seu auge em 2001 quando apostou na animação digital com Shrek. Porém a carismática história do bem-sucedido ogre verde não funcionou apenas como um avanço tecnológico e gráfico, mas sim conduzindo uma nova matriz estilística e narrativa. Diríamos antes, que foi uma lufada de ar fresco para o género, um autêntico conto anti-Disney, cheio de irreverência e satirizações à cultura pop que tanto agradou miúdos como conquistou graúdos com a sua linguagem subtil e alusiva. Mesmo assim, o estúdio tentou persistir no tradicional modelo animado, negando que havia sido conquistado com o êxito anterior. Mas obviamente depois de um “next big thing”, difícil mesmo é insistir ao público o que supostamente já havia sido feito ou refeito. Devido aos inúmeros fiascos de bilheteira, a Dreamworks abandonou de vez a produção de tais animações, de moldes clássicos e de grafismo tradicional. Tudo isso decorreu em 2004 quando o estúdio produziu a sequela da sua franquia predilecta (Shrek) e um filme à parte (Shark Tale) que consistiram em dois dos maiores êxitos do referido ano.

 

2526418_Up5I1.jpg

 

Enquanto a Pixar era uma detentora em histórias de animação de ressonâncias clássicas da Disney, Dreamworks é uma verdadeira fábrica de criação de franchising animados e Shrek ocupava o lugar de mina de ouro. Mas longe do carismático ogre verde está a premissa de quatro animais (um leão, uma zebra, um hipopótamo e uma girafa) nascidos em cativeiro no Zoo de Central Park, Nova Iorque, que por engano são encaminhados para a remota ilha de Madagáscar. Tudo devido ao desejo de Marty (a zebra – com a voz de Chris Rock) em conhecer o mundo selvagem, fazendo assim com que o resto do quarteto enfrente os seus maiores medos, a independência dos seus meios e a ausência dos cuidados que tinham no zoo.

 

2526427_3ZkG4.jpg

 

Madagáscar é o título deste filme de animação que tornou-se previsivelmente num dos grandes êxitos de bilheteira do seu respectivo ano, sendo claramente o indício de uma nova série por parte da Dreamworks, visto que produziu um segundo filme e pondera a concepção de um terceiro. Para dizer a verdade, Madagáscar é uma obra demasiado presa a ressonâncias comerciais, uma animação que vive de uma premissa e pouco mais. Um dos seus pontos fracos é a vertente que os gags adquiriram, resumindo a referências ou de natureza mais imatura, contrapondo o seu primo Shrek.

 

20111017m2005rw5.jpg

 

A sua narrativa é light e em termos emocionais fica um pouco a leste do esperado. Sabendo também que a Dreamworks se esforça para separar de qualquer traço ou matriz dos habituais produtos da Disney, mas contrariamente a esse pensamento, até Shrek possuía a sua vertente emocional, e bem acentuada. Todavia esta descontraída fita é isente de motivação que o afasta da própria caricatura, mas por um lado é hábil, dotado de excelentes gráficos e servido por personagens, todas elas cativantes e originais, e um conjunto de vozes também ajuda e muito na simbiose entre as figuras, como a de Chris Rock a tentar rivalizar com Eddie Murphy e o seu burro do Shrek. Dito isto, as crianças vão delirar!

 

Madagascar (2005)9.png

 

No futuro poderá vir a ser uma imagem de marca do “fabricante de Shrek”, mas por enquanto é um “poço de petróleo” inexplorado, onde os responsáveis ponderam tirar partido de novas aventuras de personagens tão irresistíveis. Contudo a tal falta de solidez na narrativa e na temática, nunca o levarão para caminhos “gloriosos” de conversão de clássico, tudo porque este Madagáscar não está muito longe dos inúmeros produtos que preenchem as manhãs aos mais novos. Agora resta apenas cantarolar “I like to Move it, move, it, move it, i like to move it”.

 

Real.: Eric Darnell, Tom McGrath / Int.: Ben Stiller, Chris Rock, David Schwimmer, Jada Pinkett Smith, Sacha Baron Cohen

 

jk3c6jovpyvkvyo.jpg

 

Recomendação – Wild (2006), The Lion King (1994), Ratatouille (2007)

 

O melhor – a qualidade das personagens

O pior – tem-se a sensação de tudo ser demasiado infantilizada 

 

 

5/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 12:36
link do post | comentar | partilhar

2 comentários:
De Catarina d´Oliveira a 22 de Novembro de 2008 às 16:15
ah com que entao ja viste :)
eu vou ve-lo amanha as 11 ;)

gostei imenso do primeiro, vamos la ver este agora. depois venho ca dar o veredicto ;)


De Hugo Gomes a 22 de Novembro de 2008 às 17:44
lol, mas este é o primeiro, o segundo só vejo proxima semana
Abraço


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

A Liga da Justiça decepci...

Primeiro vislumbre da seq...

Arranca o 11º LEFFEST – L...

The Square (2017)

Pedro Pinho avança com no...

Justice League (2017)

Hitman será série de tele...

Vem aí novo spin-off de S...

Afinal vai mesmo haver sé...

Gal Gadot recusa fazer Wo...

últ. comentários
Nice. Ansioso por ler a crítica e a entrevista ent...
Rapaz, o Lucky já o vi em visionamento de imprensa...
Em quais sessões estás interessado? Amanhã vou ver...
Ando por lá, sim, nem que seja só para entrevistas...
Aquela música, meu! Voltei a ser criança. Hugo, pe...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO