Data
Título
Take
25.7.07
25.7.07

 

Real.: Betty Thomas

Int.: Owen Wilson, Eddie Murphy, Famke Janssen

 

 

Alex Scott (Owen Wilson), um agente secreto do governo norte-americano irá formar equipa com o insuportável Kelly Robinson (Eddie Murphy), um campeão mundial de boxe, na recuperação de um sofisticado avião caça roubando por um chefe do crime que o pretende vender a terroristas.

Experiências, é o termo mais correcto para criação de certas duplas, incluindo esta; Eddie Murphy e Owen Wilson onde química não existe e muito menos personagens. O grande problema de Wilson é ser demasiado controlado pelo seu ego, ou seja apenas consegue interpretar uma personagem, ele próprio, nem sequer molda a sua maneira de falar (dialecto) nem a composição que representa, por outro lado, Murphy já demonstrou ser capaz de interpretar um número variado de personagens (por exemplo The Nutty Professor) e nesse aspecto é muito melhor actor que Wilson, apesar da má sorte na escolha dos últimos filmes (Pluto Nash) e pelos vistos este também não é uma boa escolha, ainda por cima o seu papel é bastante irritante e dificilmente suportavel.

O argumento está mais que revisto como também a ideia de qualquer momento de cinema que possa existir está gasta. Certos gags chegam a funcionar, não a cem por cento, mas chegam, e é na aproximação do final que o filme realmente derrapa. Parece que de repente durante a rodagem deixaram as câmaras ligadas que captou o maior número de improvisos da dupla, dando voltas e reviravoltas num argumento indeciso, confuso que ainda por cima sem qualquer pingo de originalidade.

È com filmes como este exemplar que tenho o maior desejo de perguntar porquê que os produtores (de todo o Mundo, não só os americanos) estão sempre a pressionar em paródias (ou satiras, como querem chamar) do género de espionagem? Sabendo que já não existe mais ideias novas ou aquele sendo de humor corrosivo como de antigamente, nada de novo tem esta fita a nos oferecer, apenas revendo matérial, mais uma vez. Do filme ficamos apenas com a posse sexy de Famke Janssen, porque o resto é desastroso; um fracasso de dupla, um final demasiado longo e trapalhão e uma fita sem graça nenhuma. Ficamos mal entregues a estes dois!

 

 

3/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 18:44
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Poirot não descansa! Avan...

Ghost Dog terá sequela!

A Liga da Justiça decepci...

Primeiro vislumbre da seq...

Arranca o 11º LEFFEST – L...

The Square (2017)

Pedro Pinho avança com no...

Justice League (2017)

Hitman será série de tele...

Vem aí novo spin-off de S...

últ. comentários
Nice. Ansioso por ler a crítica e a entrevista ent...
Rapaz, o Lucky já o vi em visionamento de imprensa...
Em quais sessões estás interessado? Amanhã vou ver...
Ando por lá, sim, nem que seja só para entrevistas...
Aquela música, meu! Voltei a ser criança. Hugo, pe...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO