30.6.14

A produção maldita!

 

Quando falamos em produções desastrosas não podemos deixar de referir a versão de 1996 de The Island of Dr. Moreau, uma modernização do homónimo clássico literário de H.G. Wells que remete-nos a um cientista “louco”, exilado numa ilha distante e que exerce experiências malditas, transformando bestas animalescas em humanos.

 

 

Brincando ao papel de Deus, a decifração da essência humana, a criação de uma sociedade oprimida e controlada, são vários os elementos que no livro funcionam como uma reflexão ética dos avanços científicos, e da cada vez mais consolidação entre a genialidade e a loucura, derivação da transgressão dos formatados limites da ciência. Nesta mais recente adaptação do dito conto, a hipnose e cirurgias, processos levado a cabo pelo Dr. Moreau para converter os ditos animais em aspirações humanas são substituídos pela engenharia molecular e genética, tentado envergar por caminhos ousados e aludidos às amoralidades dessas mesmas experiências. Porém o filme que John Frankenheimer tentou resgatar da penúria nem chega a roçar tais questões éticas que tão bem poderiam ser propostas, privando-se e desleixando-se para um espectáculo de feira, encabeçado pelos efeitos visuais e pela caracterização gerida por Stan Winston.

 

 

Porém, voltando à temática da produção “condenada”, reza a lenda que os problemas começaram com Val Kilmer, o suposto protagonista que devido à sua própria "birrice" de vedeta foi automaticamente "encaminhado" para um papel secundário e de participação “desmembrada”, sem com isto falar das suas divergências com Frankenheimer, que segundo os rumores foi tão intensa que depois da última cena gravada com Kilmer o realizador gritou ""Cut! Now get that bastard off my set" (Corta! Agora tirem aquele bastardo do meu set). Depois são os problemas com o realizador original, Richard Stanley (também autor do argumento), que foi despedido após quatro dias de rodagem e que falou-se de sabotagem por parte deste durante todo o processo de filmagem. A repudia dos actores ao filme, David Thewlis que apesar de protagonista recusou estar presente na premiere. E quanto a Brando (sabendo que os anos 90 não foram favoráveis para a sua carreira), The Island of Dr. Moreau foi prejudicado pelo facto do actor estar a lidar com o recente suicídio da sua filha, Cheyenne, que condicionou o desempenho deste e em consequência disso um papel mais reduzido, para além de uma interpretação insonsa e sem carisma pela súbita falta de motivação no trabalho. Ou seja, tudo em The Island of Dr. Moreau apontava ao desastre, contudo acredito que por vezes certos "desastres" dão origem a obras-primas (The Shining de Kubrick ou Apocalipse Now de Coppola são alguns dos exemplos), mas este não foi o caso.

 

 

Com uma equipa desmotivada como esta, The Island of Dr. Moreau evidencia automaticamente desleixo, a começar pelo argumento, vitima de reestruturação de última hora que deixa de lado a essência do conto, até chegarmos a um elenco que praticamente manda o filme para as "urtigas", e claro, Val Kilmer a acusar-se de ser o caso mais agreste desse comportamento. Ou seja, concretizou-se a profecia, o desastre artístico que se adivinhava, e o resultado é uma obra esquizofrénica e de um climax dissipado que antecede o próprio espectador, tendo mais pressa em chegar ao desfecho que este. Porém no centro de tanta "loucura" e fracassos, uma pergunta fica - como é possível arruinar tal malevolamente distorcido conto de H.G. Wells?  E como não bastasse ainda temos a oportunidade de questionar - o que faz Marlon Brando no meio disto tudo? É de chorar por menos apesar do trabalho técnico.

 

"There is no pain, there is no law!"

 

Real.: John Frankenheimer / Int.: Marlon Brando, Val Kilmer, David Thewlis, Fairuza Balk, Marco Hofschneider, Ron Perlman.

 

 

3/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 21:49
link do post | comentar | partilhar

 

Foi divulgado um novo poster de Foxcatcher, o novo filme de Bennett Miller (Capote, Moneyball), apresentado no último Festival de Cannes e consagrado com o Prémio de Melhor Realizador, que conta com um Steve Carrell (Get Smart, 40 Years Old Virgin) longe do registo cómico que parece "acorrenta-lo" e Channing Tatum (21 Jump Street, Magic Mike) naquele que poderá ser o seu melhor papel. Carrell vai desempenhar o esquizofrénico John du Pont, um homem condenado pelo assassinato do profissional de luta-livre, Dave Schultz, aqui interpretado por Mark Ruffallo (The Avengers, The Kids Are All Right), em 1996. O titulo do filme deriva dos estabelecimentos pertencentes a Du Pont, Foxcatcher Farmers, onde sob a sua alçada eram organizados campeonatos de wrestling e pentatlo. John du Pont, licenciado em zoologia, era um adepto de aves, chegando mesmo a publicar inúmeros livros de ornitologia. Sienna Miller (Stardust), Vanessa Redgrave (The Butler), Anthony Michael Hall (The Dark Knight) e Brett Rice (Super 8) completam o elenco. 

 

 

 

 

Ver Também

Winter Sleep vence Palma de Ouro em Cannes!

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 21:10
link do post | comentar | partilhar

 

A co-produção nigeriana e norte-americana, Mother of George de Andrew Dosunmu, foi o grande vencedor do FEST 2014: Festival Novos Cineastas e Novo Cinema, tendo sido consagrado com o Lince de Ouro para Melhor Longa-Metragem de Ficção. O triunfante remete-nos a um casal de nigerianos que tentam sobreviver e ultrapassar todos os desafios na cidade de Brooklyn. Destaque principal para o isrealita Arabani de Adi Adwan, o vencedor do Prémio C7nema (Crítica).

 

 

Lince de Ouro (Melhor Longa-Metragem de Ficção)

Mother of George, de Andrew Dosunmu

 

Menção Honrosa (Melhor Longa-Metragem de Ficção)

Little Crushes, de Ireneusz Grzyb e Aleksandra Gowin & Cracks in Concrete, de Umut Dag

 

Lince de Ouro - Melhor Longa-Metragem (Documentário)

My Love Awaits Me by the Sea, de Mais Darwazah

 

Prémio do Público (Melhor Longa-Metragem)

Cracks in Concrete, de Umut Dag

 

Prémio do Público (Melhor Curta-Metragem)

Mother, de Lukasz Ostalski

 

Prémio C7nema (Prémio da Crítica)

Arabani, de Adi Adwan

 

Melhor Curta-Metragem de Ficção

Mother, de Lukasz Ostalski

 

Menção Honrosa (Curta-Metragem de Ficção)

The Dinner, de Dimitris Argyriou & Tennis Girl, de Daniel Barosa

 

Melhor Curta-Metragem de Animação

Rabbit and Deer, de Péter Vácz

 

Melhor Curta-Metragem Experimental

White Lies, de Felix Schaefer

 

Menção Honrosa (Curta-Metragem Experimental)

Orpheus, de Alessandro Paratore e Sara Aretino

 

Melhor Curta-Metragem Documentário

Everything Will Be Different Now, de Josefien Hendricks

 

 

Ver Também

Arranca hoje!!

Teresa Palmer no FEST: Festival de Novos Cineastas e de Novo Cinema!

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 18:10
link do post | comentar | partilhar

28.6.14

 

Na próxima Quarta-Feira, dia 2 de Julho, o canal História irá exibir a quinta temporada de Caça-Tesouros, onde o espectador seguirá Mike Wolfe, proprietário da loja Antique Archaeology, e o seu sócio, Frank Fritz, na busca pelos ainda perdidos tesouros arqueológicos, escondidos nos mais variados recantos dos EUA. O primeiro episodio desta nova temporada será exibido por volta das 22h em todas as Quarta-Feiras e repetida inúmeras vezes na Quinta-Feira seguinte nos respectivos horários: 00:15h, 14:30h e 19:45h.  A não perder!

 

 Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 23:39
link do post | comentar | partilhar

 

A Erva de Rato de Juliano Bressane, uma das mais poéticas e belas obras brasileiras a estrear no nosso país em 2014 (tendo contudo, e salienta-se, uma estreia criminosa e inadmissível) terá amanhã, 29 de Junho, duas sessões únicas e especiais no Espaço Nimas, Lisboa. A história, livremente baseado em dois livros de Machado de Assis, centra-se em dois estranhos (Selton Mello e Alessandra Negrini), que se conhecem no cemitério e que automaticamente embarcam numa viagem voyeurista pelo intimo de ambos, onde o desejo e a curiosidade remetem lado a lado. As sessões decorrerão às 19h15 e 21h45.

 

 

Ler Crítica, aqui.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 22:23
link do post | comentar | partilhar

 

Foi divulgado o primeiro trailer de Dracula Untold, o filme de Gary Shore (da curta The Draft), que nos apresentará as origens do mítico personagem imortalizado pelos escritos de Bram Stoker e com inspirações à história do temido Príncipe Vlad da Roménia. Luke Evans (The Immortals, The Three Musketeers) interpretará assim o trágico e nefasto “príncipe das trevas”, Conde Drácula e Dominic Cooper (Need For Speed), Samantha Barks (Les Miserables), Sarah Gadon (Enemy: O Homem Duplicado), Zach McGowan e Charlie Cox (Stardust) completam o resto do elenco. Dracula Untold tem estreia prevista para 17 de Outubro nos EUA.

 

 

 

Ver Também

Dracula Untold - Primeiro poster e imagem!

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 21:44
link do post | comentar | partilhar

27.6.14
27.6.14

Inimigos para a vida!

 

Segundo Pilar Del Rio, José Saramago recusava qualquer proposta de adaptação cinematográfica aos seus livros, acusando maioritariamente de serem obras copistas, oportunistas e escassas de ideias. O “Prémio Nobel” por outro lado sempre foi agradado pela liberdade artística, e a prova chegou com a apresentação de Ensaio Sobre A Cegueira, o seu bestseller mundialmente aclamado pelas mãos de Fernando Meirelles. O momento desse embate do criador com a sua criação foi registada num vídeo comovente, o qual Saramago agradecia a Meirelles pelo belíssimo filme que havia concretizado, talvez das glórias incontornáveis da carreira de tal cineasta - a gratidão de um autor de tamanha natureza e relevância. O Ensaio sobre a Cegueira (Blindness) de Meirelles era um filme livre, longe da transcrição directa de página para tela e que a certa altura assumia uma forma precisa e própria, algo que Enemy: O Homem Duplicado parece também usufruir, e voltando a citar a companheira do escritor, Pilar Del Rio, no contacto com o novo filme do canadiano Denis Villeneuve, este seria certamente uma adaptação que Saramago adoraria assistir.

 

 

Inspirado no homónimo bestseller do autor português, um dos seus ensaios no campo do thriller literário, em Enemy seguimos Adam Bell (Jake Gyllenhaal), um professor universitário solitário e preso a uma constante rotina. Anseia pela mudança mas nunca possuiu a coragem nem motivação para tal, contudo a vida de Adam tende em alterar drasticamente no preciso momento em que assiste um filme, recomendado por um colega seu, o qual se depara com um actor idêntico a si próprio. O professor inicia assim uma frenética busca ao encontro desse mesmo “sósia”, chegando mesmo a combinar um encontro com o dito actor, porém o embate destes levará a consequências irreversíveis na vida de ambos.

 

 

Existindo cerca de seis mil milhões de pessoas em todo o Mundo, é muito provável que exista alguém semelhante a nós, e é sob essa temática que Enemy joga para tecer as teias de um thriller existencialista, intimista e deveras intriguista nos seus propósitos. É um exemplo glorioso de um cineasta que aponta o seu estilo como veio condutor da narrativa  e não o contrario, lançando-se ainda numa demanda de provocação para com o espectador. É que Denis Villeneuve desafia-o, aufere as pistas e convida-o a interpretar o seu próprio filme, uma metáfora moldada que diverge conforme quem o vê. Os territórios do thriller convencional são assim abalados pela psicologia do seu tema e profundamente, das suas imagens. Villeneuve é como Freud num panorama cinematográfico, requisitando o génio de Saramago em prol de uma catarse sobre duplicidade, compromisso e acções ditatoriais. E à conta disso a "aranha" proclama o seu espaço e o realizador demonstra mais uma vez o seu dom do inesperado.

 

 

Tal como acontecera com o recente The Double de Richard Ayoade, Enemy usufrui do conceito de duplicidade para transparecer as divergências entre os diferentes elementos, assim requisitando um faustoso trabalho de dualidade do actor, nesse aspecto Jake Gyllenhaal (parece continuar o seu papel de Donnie Darko) está à altura do desafio erigindo dois personagens hipnotizantes simplesmente baseados somente pelo carácter. Ou seja ambos iguais e ao mesmo tempo, diferentes. Já que falamos em elenco não poderíamos deixar de salientar a ênfase dramática trazida pela formidável actriz Sarah Gadon, uma figura crucial deste aludido episódio de Twilight Zone e a sensualidade fria da sempre ascendente Mélanie Laurent.

 

 

Em Enemy, Denis Villeneuve aposta e vence, um thriller de atributos invejáveis ditado por um estilo único e labiríntico. E voltando à questão inicial, sim, Saramago era bem capaz de adorar esta visão libertina e simultaneamente inerente da sua criação literária, uma tese de autor sobre outro autor. O regresso do cinema provocador num filme para quem acredita que o cinema pode ser profundo e ao mesmo tempo, esteticamente cativante. 

 

Real.: Denis Villeneuve / Int.: Jake Gyllenhaal, Mélanie Laurent, Sarah Gadon, Isabella Rossellini

 

 

9/10

publicado por Hugo Gomes às 23:31
link do post | comentar | partilhar

26.6.14

Entre explosões e sucata!

 

Depois de três filmes intensos que bem serviam de case study à cada vez mais iminente junção entre o cinema com os parâmetros do videojogo, Michael Bay parece ter por fim concertado muitas das fragilidades que a saga possuía e que ficou "celebre" por tê-las, convertendo este novo projecto no mais acessível deste franchise cinematográfico baseado na homónima linha de brinquedos da Hasbro (sem com isto querer dizer muito). Porém, e sem as ambições para ser algo mais, continuamos com o mesmo espectáculo de feira, até porque os níveis de ridículo continuam em altas em Transformers.

 

 

Mas voltando aos pontos positivos. Sendo este o maior dos filmes do território imposto por Bay, e não refiro apenas à longevidade da sua duração (pouco menos de 3 horas), Age of Extinction revela-nos um realizador mais maduro e controlado (pelo menos onde o deve ser), tentando construir desde a raiz um novo leque de personagens humanas e com tal preenche-los com os mais "variados" conflitos pessoais, ou seja, os mesmos problemas de sempre. Shia LaBeouf é deixado para trás e Mark Walhberg é o novo detentor do spotlight de protagonista, com todas as características do "bom americano"; inspirador, corajoso e paternal. Como estamos num filme de Michael Bay não é necessário muito em termos interpretativos, basta sim sermos nós próprios. Sob o signo desse mesmo "décimo primeiro mandamento", os atores (as novas aquisições) não são mais do que meros pavonear de egos, com Stanley Tucci a ser devidamente carismático e a actriz Nicola Peltz, da série Bates Motel, sob pouco esforço, a demonstrar que é melhor dos que as antecessoras: Megan Fox e Rosie Huntington-Whiteley.

 


Mas obviamente é tudo dispensável, porque a direcção do espectáculo estás nos seus tremendos CGI e nas criaturas robóticas que vendem milhões e milhões de brinquedos. Aliás, nesse aspecto, Age of Extinction é um aguçado produto de marketing de todo o género, não só no próprio merchandising como também no resto dos "patrocinadores". Depois, existe ainda aquela aposta no mercado asiático, se não qual era a finalidade de metade do enredo decorrer em Hong Kong? Michael Bay afina as suas "armas" e propõe-nos um "show" pirotécnico e visual invejável, até mesmo em comparação com os seus trabalhos anteriores, e sob esse regulamento de entretenimento de silly season, o realizador deposita a sua marca autoral (aquele "planozinho" em movimento lento com o abanar da bandeira norte-americana não poderia faltar). Portanto, não ousem em procurar neste registo puramente digital algo mais profundo e intimista. Nada disso. Quem espera por um filme a lá Bay então esta é a obra ideal, mas até nisso o nosso realizador consegue aperfeiçoar o seu espectáculo, devolvendo à saga um vilão desafiante (por fim!) e sequências de acção perceptíveis mas igualmente gloriosas, mais trabalhadas para o IMAX.

 

 

Finalmente, vale a pena salientar a autocrítica que Bay incute logo no início do filme, quando um proprietário de um antigo cinema desabafa ao nosso herói Wahlberg sobre o estado dos filmes de hoje, clamando que estes são reduzidos a sequelas e remakes. Ora bem, sendo Age of Extinction uma sequela e Michael Bay ligado à produtora Platinum Dunes, especializada em remakes sofisticados dos muitos clássicos do cinema de terror, se tudo isto passa de uma autêntica ironia, então Bay é uma farsa. Se não for, então nada disto sequer existiu?

 

"How many more of my kind must be sacrificed?"

 

Real.: Michael Bay / Int.: Mark Wahlberg, Stanley Tucci, Nicola Peltz, Jack Reynor, Kelsey Grammer, Li Bingbing, Sophia Myles, Titus Welliver, T. J. Miller, Peter Cullen, Robert Foxworth, John Goodman, John DiMaggio, Ken Watanabe, Reno Wilson

 

 

Ver Também

Transformers (2007) 

Transformers: Revenge of the Fallen (2009)

Transformers: Dark of the Moon (2011)

 

4/10

publicado por Hugo Gomes às 18:23
link do post | comentar | partilhar


publicado por Hugo Gomes às 16:35
link do post | comentar | partilhar

 

Será o Cinema a desencadear a Terceira Guerra Mundial? A Coreia do Norte ameaça atacar os EUA caso se a comédia The Interview (A Entrevista) de Evan Goldberg seja lançado. Em causa está o enredo, o qual dois jornalistas americanos (interpretados por Seth Rogen e James Franco) recrutados pela CIA que têm a arriscada missão de assassinar Kim Jong-un, o líder República Democrática Popular da Coreia (no filme interpretado por Randall Park). Um porta-voz do ministério norte-coreano dos Negócios Estrangeiros afirmou num comunicado de imprensa que "produzir e lançar um filme cujo argumento tende a prejudicar o nosso líder deve ser visto como um forte acto de terrorismo e de declaração de guerra que irá certamente ser tolerado". O protagonista Seth Rogen ironizou a situação no TwitterAs pessoas não costumam querer matar-me por um dos meus filmes, só até depois de terem pago 12 dólares para o verem". Por enquanto só o trailer e poster do filme é que se encontram disponíveis, sendo que este tem estreia marcada para 14 de Outubro nos EUA e 4 de Dezembro em Portugal.

 

 

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 

 


publicado por Hugo Gomes às 16:30
link do post | comentar | partilhar

 

O actor Ben Kingsley (Iron Man 3, Shutter Island)  acordou em dar a voz de Bagheera, a pantera negra de The Jungle Book (O Livro da Selva), numa nova versão que combina imagem real e CGI para a Disney. Baseado num homónimo clássico literário de  Rudyard Kipling, The Jungle Book segue a história de um menino órfão, Mowgli, que é criado por lobos e apadrinhado pelos outros animais da selva, nomeadamente Bagheera que será o seu mentor. Contudo é visto como uma ameaça para Shere-Kan, um tigre temido por todos que se proclama como o rei da selva. Este novo filme contará com a direcção de Jon Favreu (Iron Man)  e um argumento de Justin Marks (20,000 Leagues Under the Sea),os actores Idris Elba, Scarlett Johnson e Lupita Nyong'o integraram o elenco vocal. Relembro que esta não será a única adaptação cinematográfica a ser produzida, a Warner Bros prepara a sua própria versão com Andy Serkis como realizador.

 

Ver Também

Andy Serkis irá dirigir versão motion capture do “Livro da Selva”

Idris Elba em versão cinematográfica de The Jungle Book!

Ron Howard poderá realizar novo filme do O Livro da Selva!

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 14:58
link do post | comentar | partilhar

 

Ver Também

Mad Max: Fury Road no Entertainment Weekly

Tom Hardy no remake de Mad Max

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 01:02
link do post | comentar | partilhar

25.6.14

 

A revista Entertainment Weekly destaca Mad Max: Fury Road na sua nova capa, onde é possível visualizar os personagens interpretados  por Tom Hardy e Charlize Theron. Fury Road será o quarto filme de uma saga cinematográfica iniciada em 1979 e a única sem a presença de Mel Gibson, que fora o herói de um mundo pós-apocalíptico, onde o petróleo escassa e a humanidade tenta selvaticamente sobreviver num interminável e árido deserto. Para além dos referidos protagonistas, no elenco poderemos ainda encontrar os actores; Nicholas Hoult (X-Men: Days of Future Past), Riley Keough (Magic Mike), Zoe Kravitz (Divergent), Josh Helman (X-Men: Days of Future Past), Rosie Huntington-Whiteley (Transformers 3), Megan Gale (Stealth) e Nathan Jones (Troy). George Miller continua no cargo de realizador. Mad Max: Fury Road tem estreia para 2015.

 

Ver Também

Tom Hardy no remake de Mad Max

 

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 19:41
link do post | comentar | partilhar

 

Segundo a The Hollywood Reporter, a 20th Century Fox prepara-se para avançar com um reboot de Predator, o popular e elogiado filme de ficção científica dirigido John McTiernan em 1987. Com Arnold Schwarzenegger no principal papel, Predator remetia-nos a um grupo de membros de operações especiais dos Comandos que enfrentam uma ameaça alienígena nas densas selvas da América Central. O filme tornou-se automaticamente um a obra de culto e gerou duas sequelas; Predator 2 (1990) e Predators (2010), e dois crossovers com outra popular saga de ficção científica; Alien Vs Predator (2004) e Aliens vs. Predator: Requiem (2007). Por enquanto não existe informação sobre o enredo do eventual reboot, mas a fonte divulgou que será o Shane Black (Iron Man 3, Kiss, Kiss, Bang, Bang) a realizar e a dar o primeiro tratamento no argumento. A produção estará a cargo de John Davis, que fora o produtor do original, Joel Silver e Lawrence Gordon.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 16:06
link do post | comentar | partilhar

 

Foi divulgado o primeiro teaser trailer de The Hunger Games: Mockingjay Part 1, a próxima adaptação cinematográfica da saga literária de Suzanne Collins, a primeira parte do desfecho que nos remete ao início da rebelião liderada pela carismática Katniss Everdeen  (Jennifer Lawrence). A revolta dos 12 distritos oprimidos pelo regime de "ferro e fogo" do Capitólio e a abolição dos ditos Jogos da Fome, onde são anualmente escolhidos 12 jovens para lutarem entre si num combate até à morte como tributos à capital. O filme será novamente dirigido por Francis Lawrence  (que havia realizado o capitulo anterior) e conta no elenco de luxo os actores Josh Hutcherson, Woody Harrelson, Donald Sutherland, Natalie Dormer, Liam Hemsworth, Philip Seymour Hoffman, John Cusack, Evan Ross, Julianne Moore e Robert Knepper. Estreia prevista para 21 de Novembro nos EUA.

 

 

Ver também

Primeiro teaser poster de The Hunger Games: Mockingjay Part 1

The Hunger Games (2012)

The Hunger Games: Catching Fire (2013)

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 15:36
link do post | comentar | partilhar

 

Foi divulgado o primeiro trailer de Fury, o novo filme de David Ayer (End of Watch, Sabotage) que remete-nos a uma esquadra mecânica liderada pelo Sargento Wardaddy, numa operação de alto risco por detrás das linhas inimigas numa Europa sob a ameaça Nazi. Escrito pelo próprio realizador, eis um regresso do chamado “tank movie” ao cinema norte-americano, filmes bélicos cuja maior parte da acção decorre dentro de um tanque de Guerra. Brad Pitt (Inglourious Basterds) lidera um elenco integrado por Logan Lerman (Noah), Shia LaBeouf (Transformers), Scott Eastwood (Trouble with the Curve), Jason Isaacs (Harry Potter), Xavier Samuel (The Twilight Saga: Eclipse), Michael Peña (End of Watch), Jon Bernthal (The Wolf of Wall Street) e Anamaria Marinca (4 Months, 3 Weeks, 2 Days). Estreia prevista para 23 de Outubro no nosso país.

 

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 12:07
link do post | comentar | partilhar

 

Morreu aos 98 anos, Eli Wallach, conhecido pelo papel de Tuco, o “Feio” de The Good, The Bad and the Ugly de Sergio Leone. O actor faleceu esta terça-feira, 24 de Junho, mas a notícia foi confirmada na quarta-feira pela sua filha Katherine ao jornal The New York Times. A causa de morte ainda é desconhecida. Nova-Iorquino de gema, Wallach manteve no activo até aos 90 anos, desempenhando mais de 100 papeis nomeadamente inúmeros e aclamados westerns que incluem The Magnificent Seven de John Sturges (1960) ao lado de Steve McQueen, e How the West has Won de John Ford e Henry Hathaway (1962), para além do cinema, a televisão também fez parte da sua longa carreira. Eli Wallach nunca foi nomeado ao Óscar mas foi homenageado com um Óscar Honorário em 2011, para além disso fora nomeado aos Golden Globes em 1957 pelo seu desempenho em Baby Doll de Elia Kazan. The Ghost Writer de Roman Polanski e a sequela de Wall Street de Oliver Stone contam-se como as suas últimas prestações no cinema, ambos datados em 2010.

 

 

Eli Wallach (1915 – 2014)

 

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 11:47
link do post | comentar | partilhar

24.6.14
24.6.14

 

Para mais informação, ver aqui

 

 

Ver Também

Teresa Palmer no FEST: Festival de Novos Cineastas e Novo Cinema!

 

 

 


publicado por Hugo Gomes às 18:45
link do post | comentar | partilhar

 

Estreia esta semana no nossos cinemas o quarto filme da franquia de êxito de Michael BayTransformers: Age of Extinction (A Era da Extinção), baseado na homónima linha de brinquedos da Hasbro. Nesta nova continuação, a personagem de Shia LaBeouf, Sam Witwicky, não se encontra presente no enredo (escrito pelo repetente Ehren Kruger), ao invés deste, temos o actor Mark Wahlberg (The Lone Survivor) a assumir o protagonismo ao lado de Nicola Peltz (The Last Airbender), Stanley Tucci (The Hunger Games), Sophia Myles (Underworld: Submundo) e Li Bingbing (Resident Evil: Retribution). Nesta nova aventura repleta de gloriosos efeitos especiais e sequências de acção vibrantes, anos passaram desde os eventos de Dark of the Moon, e os Autobots igualmente como Decepticons são caçados pelos humanos, que secretamente aliam-se a um velho inimigo da raça dos Transformers. Cabe a Optimus Prime (com a voz de Peter Cullen) e os sobreviventes da sua equipa impedir a extinção da sua espécie como a dos próprios seres humanos. Recordamos ainda que em "Age of Extinction" poderemos encontrar os chamados Dinobots (robôs personificados como dinossauros) a pedido dos fãs da saga. Iniciada em 2007, a saga Transformers já arrecadou para os cofres da Paramount mais de 2.6 mil milhões de dólares em todo o mundo. Transformers: A Era da Extinção tem estreia já para esta Quinta-Feira, dia 26 de Junho, no nosso país. 

 

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 18:15
link do post | comentar | partilhar

 

Foi divulgado mais um trailer e novos posters da nova versão cinematográfica de TMNT: Teenage Mutant Ninja Turtles (As Tartarugas Ninjas em bom português), a adaptação de uma popular BD que por sua vez deu origem a inúmeras animações, filmes live-action entre os anos 80 e 90 e variados produtos de merchandising incluindo brinquedos. Realizado por Jonathan Liesbesman (Battle Los Angeles, Wrath of Titans), com o cunho de Michael Bay na produção, este novo TMNT tem data de estreia para este Verão e conta com Megan Fox (Transformers), Will Arnett (The Lego Movie), Whoopi Goldberg (The Color of Purple) e William Fichtner (The Dark Knight) no elenco. Quanto às ditas tartarugas ninjas, ao contrario dos anteriores filmes envolto que apresentavam actores sob fatos de corpo inteiro, serão imagens concebidas por via da tecnologia motion captureAlan Ritchson (Raphael), Noel Fisher (Michelangelo), Jeremy Howard (Donatello) e Pete Ploszek (Leonardo) personalizam o quarteto principal. Um destaque deste novo trailer é que por fim poderá ter-se o primeiro vislumbre do grande vilão da fasquia, The Shredder.  Estreia a 4 de Setembro em Portugal.

 

 

 

Ver Também

Revelado trailer do novo filme das Tartarugas Ninjas!

Nova aventura de Tartarugas Ninjas em Breve

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 17:41
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Poirot não descansa! Avan...

Ghost Dog terá sequela!

A Liga da Justiça decepci...

Primeiro vislumbre da seq...

Arranca o 11º LEFFEST – L...

The Square (2017)

Pedro Pinho avança com no...

Justice League (2017)

Hitman será série de tele...

Vem aí novo spin-off de S...

últ. comentários
Nice. Ansioso por ler a crítica e a entrevista ent...
Rapaz, o Lucky já o vi em visionamento de imprensa...
Em quais sessões estás interessado? Amanhã vou ver...
Ando por lá, sim, nem que seja só para entrevistas...
Aquela música, meu! Voltei a ser criança. Hugo, pe...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO