28.2.14

 

Daqui a uns minutos no Fantasporto, será exibido a versão restaurada do clássico The Wizard of Oz. A crítica já se encontra disponível no Cinematograficamente Falando ...

 

Ler crítica, aqui

 


publicado por Hugo Gomes às 22:42
link do post | comentar | partilhar

 

Segundo a The Hollywood Report, o holandês Diederik Van Rooijen (Taped) foi o escolhido pela Platinum Dunes de Michael Bay para dirigir o já agendado remake de Birds, o clássico de 1963 do "mestre do suspense" Alfred Hitchcock, que por sua vez é baseado livremente num livro de Daphne du Maurier. Platinum Dunes foi uma das produtoras responsáveis pela nova vaga de remakes e reboots dos diversos clássicos do cinema de terror, tendo iniciado 2003 com Texas Chainsaw Massacre de Marcus Nispel, percorrendo outros ícones do género como Friday the 13th, novamente dirigido por Nispel (2009), e A Nightmare on Elm Street de Samuel Bayer (2010).

 

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 20:46
link do post | comentar | partilhar

 

Mickey Rourke, Joseph Gordon-Levitt e Jessica Alba são as caras das novas três imagens da sequela de Sin City, A Dame to Kill For. Com estreia marcada para 22 de Agosto nos EUA, este novo filme contará novamente com a presença de Robert Rodriguez (Desperado) e o criador da graphic novel original Frank Miller na cadeira de realizadores, voltando a respeitar a estética e o estilo da matéria-prima. Bruce Willis, Josh Brolin, Rosario Dawson, Eva Green, Juno Temple, Lady Gaga, Jaime King e Ray Liota completam o elenco.

 

 

 

 

Ver Também

Primeiras Imagens: Josh Brolin na sequela de Sin City

 

 


publicado por Hugo Gomes às 19:53
link do post | comentar | partilhar

 

Happy interpretada por Pharrell Williams do filme Despicable Me 2, é uma das  quatro músicas nomeadas ao Óscar de Melhor Canção Original. Vencedor será revelado neste Domingo, dia 2 de Março. Até lá fiquem com o clip!

 


publicado por Hugo Gomes às 16:38
link do post | comentar | partilhar

 

Foi divulgado o novo trailer do próximo frenesim de ficção cientifica dos irmãos Wachowski, Jupiter Ascending. Tal como Matrix e Cloud Atlas, a dupla de cineastas volta abordar o destino e a temática do "escolhida" nesta nova aventura repleta de efeitos visuais e sequencias de acção (tendo em conta o trailer). A história remete-nos a uma jovem, Júpiter (Mila Kunis, Ted), cuja sua vida é tão rotineira e medíocre, porém os seus genes dizem que ela é destinada a grandes feitos. Porém a vida de Júpiter altera por completo quando esta conhece Caine (Channing Tatum, Magic Mike), um ex-militar geneticamente modificado o qual lhe foi entregue a missão de proteger a jovem. Eddie Redmayne (My Week with Marilyn), Sean Bean (The Lord of the Rings: The Fellowship of the Ring) e Doona Bae (Cloud Atlas) completam o elenco. Jupiter Ascending tem estreia prevista para 24 de Julho no nosso país.

 

 

Ver Também

Jupiter Ascending, a nova ficção cientifica dos Wachowski

 

              

Acompanha-nos no Facebook, aqui

 


publicado por Hugo Gomes às 16:21
link do post | comentar | partilhar

 

O Cinematograficamente Falando … foi um dos blogs convidados para a iniciativa "1 Tema, 3 Coordenadas, 1 Posição" de O Caminho Largo, espaço muito bem gerido por Jorge Teixeira. A iniciativa, que já conta com a sua segunda edição, teve como tema a Coragem e para isso foi-me pedido para assinalar três filmes que bem se enquadra no dito tema, de seguida um cineasta capaz de representa-las no grande ecrã.

 

As minhas escolhas como as de outros autores poderão ser vistas aqui e aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 14:58
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

O desafio da vida!

 

Tal como um dos personagens principais (o actor e argumentista Johan Heldenbergh), The Broken Circle Breakdown revela a sua adoração ao estilo norte-americano, nomeadamente o seu distinto melodrama. Contudo, e novamente em consolidação com o seu protagonista, vai-se divorciando dessa tal afinidade e estabelecendo as suas fronteiras, a do realismo europeu e a da fantasia onírica americana. Por outras palavras, é fácil identificar os elementos que comummente se visualizam nas enésimas obras americanas. Porém, tudo se resume a uma mimetização sarcástica desses mesmos lugares-comuns, ao mesmo tempo que o espectador evidencia um gradual afastamento em prol de um território europeu, realista até à medula e sim, como muito do seu cinema, deveras pessimista.

 

 

Mas é nesse pessimismo que encontramos a verdadeira beleza do novo filme de Van Groeningen (baseado numa peça de Johan Heldenbergh e Mieke Dobbels), uma vingativa descida à eterna melancolia da vida celebrada com pequenos rasgos de graciosidade. Neste drama são muitos os momentos emocionantes e deveras poderosos, tudo graças ao par protagonista que desempenha fervorosamente os seus papéis (Veerle Baetens prestes a torna-se numa imagem de marca do cinema belga). Porém, e talvez o mais triunfante em The Broken Circle Breakdown, é que em nenhum momento sentimos pena deste casal, sentimos o roçar da lamechice e, mais infamemente, nenhum acto de esperança.

 

 

É um amor completo que gera uma família feliz, ambiente propício para esse tão cobiçado sentimento, mas traído pelo próprio ciclo de vida e culminando em desgraças capaz de converter o mais ou menos crente dos sujeitos. Tal como o título traduzido alude, é um Ciclo Interrompido pelo infortúnio, desfragmentado como a sua narrativa mergulhada entre o passado e o presente (um exercício narrativo a lembrar 21 Grams de Alejandro González Iñárritu), onde a clara divergência entre estas duas linhas temporais é a fotografia, simbiótica com o tom do momento. É um debate reflectivo sobre a natureza do revés e o sentido de uma vida que, por vezes, soa irónica e recheada de malvadez que nos faz questionar os propósitos de Deus.

 

 

Mas sem querer entrar nessa disputa religiosa que a promoção do filme parece forçadamente vender, o filme é uma faustosa melodia, um exemplo pesaroso que nos revela sintonia mas que de maneira ingrata retira-nos esse brilho. Apesar de tudo, é de forma apaixonada que Felix Van Groeningen aborda a desilusão no seu The Broken Circle Breakdown, o que se apostava ser mais um "by the book" do final feliz e que se torna numa envolvente obra sobre paixão e decepção, que aos poucos se tatua na sua própria narrativa.

 

"I always knew. That it was too good to be true. That it couldn't last. That life isn't like that, life isn't generous. You mustn't love someone. You mustn't become attached to someone. Life begrudges you that. It takes everything away from you and it laughs in your face. It betrays you."

 

Real.: Felix Van Groeningen / Int.: Veerle Baetens, Johan Heldenbergh, Nell Cattrysse

 

 

 

9/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 14:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Lince é uma produtora portuguesa que aposta em plataformas de informação, sendo que foi apresentado o segundo vídeo (o primeiro foi “Irá Cristiano Ronaldo Ganhar a Bola de Ouro”), Óscares 2014, uma animação musical por vias de animações de Osvaldo Branquinho. Toda a informação que necessitamos saber sobre o evento que marcará o dia 2 de Março (pronto, 3 de Março em Portugal) poderá ser vista abaixo. 

 


publicado por Hugo Gomes às 10:26
link do post | comentar | partilhar

27.2.14

Montando e desmontando um Universo!

 

As peças de construção mais famosas do Mundo (e após 60 anos de existência continuam como um dos produtos de entretenimento mais vendidos globalmente), Lego, têm a sua aparição cinematográfica. Há um ano atrás, a notícia sobre a produção deste filme fazia temer o pior: uma Hollywood oportunista e sem criatividade e termos de produto. Bem, é melhor não falar desses pensamentos (basta revisitar outras linhas de brinquedos convertidas a filmes como Transformers e Batalha Naval para ter uma noção do "terror"). Contudo, após a visualização desta obra pode-se conferir que The Lego Movie é um "craque" entre os filmes baseados em brinquedos, talvez o melhor produzido até à data, uma panóplia colorida de humor simples, por vezes astuto e outras vezes através de gags físicos tecnicamente eficazes. É um entretenimento aconselhável para todas as idades, e nesse aspeto a nova obra de Phil Lord e Christopher Miller (a mesma dupla de Despicable Me) é um trunfo.

 

 

Mas o que mais me surpreendeu não foi a versatilidade do filme para as audiências, mas sim a sua auto-crítica, a forma como satiriza o seu próprio produto. The Lego Movie é assim um epigrama sobre o estereótipo e a homogeneização social e quotidiana, focando na manipulação dos Media até à implementação de um "correcto" estilo de vida (que filmes e músicas temos que obrigatoriamente gostar para sermos aceites na sociedade). Em termos mais metafóricos, o filme toca na falta de personalidade e senso livre que se vive em diversas cidades e outras comunidades cosmopolitas. E nada melhor que representar esses "venenos" sociais através dos bonecos Lego, figuras amareladas, replicadas, e fáceis de disfarçar pelos estereótipos sociais, étnicos, religiosos e profissionais. Obviamente toda esta mensagem, que é fortemente acentuada no início com uma sociedade fiel ao seu livro de instruções, é ligeiramente encaixada no subliminar da intriga e despida de qualquer acidez. Não existe aqui qualquer sinal de Tyler Durden e das suas anárquicas iniciativas.

 

 

Em suma: um misto de animação (não recomendado a epiléticos) com a acção real (a inserção destas sequências foi como uma espécie de cereja no topo do bolo em termos narrativos) que nos encoraja para o divertimento, para as referências e nalguns casos para despertar a criança em nós. The Lego Movie é assim uma proposta sedutora do cinema familiar e definitivamente a melhor interação entre uma linha de brinquedo e a Sétima Arte.

 

We are from the planet Duplo, and we're here to destroy you.”

 

Real.: Phil Lord, Christopher Miller / Int.: Chris Pratt, Will Arnett, Elizabeth Banks, Alison Brie, Morgan Freeman, Will Ferrell, Jonah Hill

 

 

7/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 16:21
link do post | comentar | partilhar

 

Irá realizar-se a partir do dia 28 de Fevereiro até 9 de Março, a 34ª edição do Fantasporto: Festival Internacional de Cinema do Porto, que decorrerá novamente no Rivoli Teatro Municipal, Porto. Neste ano para além da habitual programação, o Fantasporto contará com 53 filmes de produção nacional em antestreia mundial e pela primeira vez em 34 anos de Festival, tais produções tão nossas estão presentes em todas as frentes competitivas do evento (excepto a Orient Express, dedicado ao cinema do Extremo Oriente). Entre os quais destaca-se o thriller passional, Pecado Fatal do polivalente Luís Diogo (realizador / produtor / argumentista), que estará na competição "Semana dos Realizadores - Prémio Manoel de Oliveira", sendo o representante de Portugal, enquanto isso na Sessão Cinema Fantástico poderemos contar com a co-produção luso-guineses, O Espinho da Rosa de Filipe Henriques, a história de um bem-sucedido procurador do Ministério Público que se encontra ameaçado pela mulher que ama. Para além das competições envolvidas, ambas longas-metragens encontram-se como candidatas ao Prémio Cinema Português.  

 

 

Para além do cinema português, a 34ª edição do Fantasporto contará com cerca de 200 filmes, variadas estreias mundiais e nacionais, como é o caso do favorito do ano 2013 do cineasta Quentin Tarantino, Big Bad Wolves dos israelitas Aharon Keshales e Navot Papushado. E ainda a exibição de cópias restauradas dos dois intemporais clássicos de Victor Fleming, Gone With The Wind (E Tudo o Vento Levou) e The Wizard of Oz (O Feiticeiro de Oz), que marcarão o dia de abertura (Oz) e o oitavo dia do festival (Wind).

 

 

Para ver toda a programação e informação do festival, ver aqui

 


publicado por Hugo Gomes às 13:27
link do post | comentar | partilhar

A arte de caminhar!

 

Há algum tempo que não deparávamos com um filme tão abrangente a níveis artísticos e culturais como este La Grande Bellezza de Paolo Sorrentino, o mesmo homem que há anos esteve por detrás de um quadro intimista sobre uma das enésimas páginas negras da história política italiana, Il Divo: A Vida Espectacular de Giulio Andreotti. Nesta sua nova obra, a mais pretensiosa até à data, o autor decide criar uma panóplia de “sabores” e de requinte visual, referenciando tudo e todos e preenchendo com todas as metáforas e dilemas que tem a seu alcance. Esta ambição que vai desde o visual, o técnico e o filosófico é ao mesmo tempo uma divagação pelas ruas e monumentos de Roma, captando a sua beleza e em busca da sua alma celestial.

 

 

Confusos? Pois bem, La Grande Bellezza é até complexo no seu modo operativo, ora é um retrato de pretensões para com a decadência de vida, sublinhando o lixo cultural e a pseudo-intelectualidade cada vez mais confundida com Arte propriamente dita, ora é uma obra à deriva onde damos caras com o nosso protagonista (Toni Servillo) vagueando como o derradeiro pedestre por uma cidade adormecida mas não morte na sua beleza inerente. É como de certa maneira Sorrentino invocasse cinema ocasional, filmando tudo como um guia turístico ou todos, o repentino cameo de Fanny Ardant parece ser prova disso, mas sobretudo o autor não deixa “morrer” o seu filme em maneira alguma. Sendo que cada vez mais fundo seguimos, mais nos deliciamos com a sua simplicidade, apenas envolvida por distorcidas e impenetráveis filosofias, morais e claro, um tom satírico e crítico que prevalece como ninguém.

 

 

Para além disso, Sorrentino é multifacetado na sua direção, por vias de mimetização (segundo as más línguas), consegue invocar Federico Fellini e o seu neo-realismo como também a veia satírica de La Dolce Vita, até aos planos algo simétricos e renascentistas de um Peter Greenaway. Ou seja, até na sua realização, Sorrentino incute a diversidade cultural, homenageando alguns dos novos artistas, aqueles desprezados pelos puristas da Pintura e de outras Artes, que são os cineastas, porém sente-se em simultâneo um mise-en-scené por vezes digno do Teatro mais intimista.

 

 

Salienta-se ainda a banda sonora que parece “abraçar” o moderno com o clássico, de uma magnificência contagiante e o desempenho de Toni Servillo, o peão neste versátil jogo de metafisica que é La Grande Bellezza. Um filme de indescritível beleza, a vida de decadência cultural, a epopeia cultural de Sorrentino a captar Itália no seu melhor. Por onde iremos “caminhar” quando morrermos?

 

Real.: Paolo Sorrentino / Int.: Toni Servillo, Carlo Verdone, Sabrina Ferilli, Fanny Ardant

 

 

10/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 11:30
link do post | comentar | partilhar

 

Segundo a Variey, o actor de Inside Llewyn Davis, Adam Driver, poderá interpretar o vilão do futuro Star Wars de J.J. Abrams. Desconhece-se mais pormenores quanto à sua personagem e ao enredo do novo capítulo do famoso franchising de George Lucas em geral, mas segundo os envolvidos Driver desempenhará um antagonista da linha do icónico Darth Vader. Star Wars: Episode VII começará a ser filmado nos estúdios da Pinewood, Londres, a partir de Abril deste ano. O resto do elenco será anunciado, segundo as fontes da Variety, no próximo mês. J.J. Abrams e Lawrence Kasdan estão envolvidos no argumento e Brian Burk e Kathleen Kennedy na produção deste novo filme com data prevista para Dezembro de 2015.

 

 

Ver também

 

"Han Solo is back!"

 

J.J. Abrams no novo Star Wars!

 

Mais uma trilogia Star Wars!

 

 

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui

 


publicado por Hugo Gomes às 11:13
link do post | comentar | partilhar


publicado por Hugo Gomes às 11:09
link do post | comentar | partilhar

26.2.14

O último dos 9 nomeados à estatueta de Melhor Filme a marcar presença nas nossas salas, Nebraska de Alexander Payne. Um invulgar road movie a preto-e-branco, onde seguimos Woody Grant (Bruce Dern), um velho rabugento e meio senil que arrasta o seu filho numa viagem até Lincoln, Nebraska, para reclamar um prémio de uma quantia milionária. Uma pura vigarice decerto, mas uma fantasia que o filho tenta manter viva para o seu ingénuo pai. Excelentes desempenhos por parte deum nomeado a Melhor Actor, Bruce Dern (Monster, Django Unchained), Will Forte (MacGruber) e uma nomeada a Melhor Actriz Secundária, June Squibb (About Schmidt, Meet Joe Black), Nebraska é um filme que reúne um humor invulgar e melancólico e uma delicadeza sublime durante a sua narrativa. Fantástico, um dos melhores entre os candidatos da tão cobiçada estatueta (crítica brevemente).

 


publicado por Hugo Gomes às 22:35
link do post | comentar | partilhar

 

Depois de Mark Zuckenberg em The Social Network (2010), David Fincher (Fight Club, Se7en) poderá dirigir para outro biopic de outra figura incontornável do mundo informático, desta vez será o fundador da Apple, Steve Jobs. Tal como The Social Network, esta nova biografia cinematografia conta com o argumentista Aaron Sorkin, segundo a revelação da The Hollywood Report que adianta ainda, que o argumento já se escrito e entregue à Sony e tem como base um livro escrito por Walter Isaacson. Steve Jobs, que morreu no dia 5 de Outubro de 2011 em consequência de um cancro pancreático, já teve a sua vida transformada em filme com Jobs (Joshua Michael Stern, 2013), onde o actor Ashton Kutcher desempenhou o antigo presidente da Apple.

 

 

Ver Também

The Social Network (2010)

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 20:59
link do post | comentar | partilhar

 

Após um ano de prisão e uma multa de 100 mil dólares, o realizador John McTiernan (Die Hard, Predator) é por fim libertado da prisão de segurança mínima federal de Yankton, Dakota, que o mantinha cativo. A ordem de libertação saiu esta Terça-Feira, 25 de Fevereiro, sendo que a partir dessa data, McTiernan estará sob prisão domiciliária, que por sua vez terminará no dia 3 de Abril. John McTiernan foi detido em Abril de 2013 sob a acusação de falso testemunho durante a investigação da FBI ao detective privado Anthony Pellicano, o qual continua preso devido a escutas ilegais.    

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 18:57
link do post | comentar | partilhar

 

O consagrado L’Vie d’Adèle de Abdellatif Kechiche poderá não ver uma edição em Blu-Ray no Brasil, em causa está as suas prolongadas sequências de sexo, que mesmo que o filme esteja avaliado para maiores de 18, são consideradas são demasiados explicitas (a roçar o “porno”, segunda algumas citações) pelas diferentes editoras. Por enquanto só existe a versão em DVD que é distribuída pela Imovision, distribuidora que por sua vez procura uma empresa que replique e converta o filme para alta-definição, porém o seu percurso tem apenas recolhido até ao momento recusas (Sonopress e a Sony DADC foram algumas das empresas que negaram a tarefa). L’Vie d’Adèle, protagonizado pelas actrizes Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux, é baseado num graphic novel de Julie Maroh e nos remete a uma jovem (Adèle) em plena auto-descoberta, quer sexual, quer romântica. O filme tem arrecadado imensos elogios no seu percurso nos festivais, incluindo foi o distinguido vencedor da Palma de Ouro da edição de 2013 do Festival Internacional de Cinema em Cannes. L’Vie d’Adèle será brevemente lançado em DVD em Portugal, pela Leopardo Filmes.

 

Ver também

La Vie d' Adèle (2013)

 

tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 10:39
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

25.2.14

 

Ver também

Vejam o novo Trailer Internacional de Godzilla!

Godzilla - O Lagarto Gigante em Pose no Novo Poster!

Godzilla - O primeiro e verdadeiro trailer!

Mais um poster de Godzilla!

Godzilla de Gareth Edwards tem primeiro poster!

Godzilla pelo realizador de Monsters ganha Poster

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui

tags:

publicado por Hugo Gomes às 18:19
link do post | comentar | partilhar

 

Já é considerado um dos grandes êxitos deste inicio de ano, The Lego Movie, e tem estreia entre nós no dia 27 de Fevereiro. Tal como o titulo indica, o novo filme de Phil Lord e Christopher Miller (21 Jump Street, Cloudy with a Chance of Meatballs) é baseado no popular brinquedo, os coloridos blocos de construções, que já possuem mais de 60 anos de existência mas que continuam no top entre os produtos de entretenimento mais vendidos em todo o Mundo. O Filme Lego (titulo em português) nos remete a um mundo imaginário todo ele construído de lego e uma improvável personagem, peça igual a tantas outras, protagonista de uma antiga profecia. Com as vozes originais (que no nosso país não ouviremos por enquanto) de Chris Pratt (Guardians of the Galaxy), Will Arnett (Despicable Me), Elizabeth Banks (The Hunger Games), Morgan Freeman (Now You See Me), Will Ferrell (Step Brothers) e Jonah Hill (The Wolf of Wall Street), The Lego Movie é um divertido e colorido filme que para além de tudo tece um mensagem audaz e inteligente dentro do produto que homenageia, recomendado pelo Cinematograficamente Falando …   

 

 

Ver Também

O filme Lego terá sequela!

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui


publicado por Hugo Gomes às 18:09
link do post | comentar | partilhar

 

Holy Motors de Leos Carax será exibido hoje, 25 de Fevereiro, na Cinemateca de Lisboa por volta das 21h30 na sala Dr. Félix Ribeiro. A magia e a diversidade cinematográfica estampada em toda a sua narrativa, este é um filme envolvente para todos aqueles que adoram o cinema como Arte e não uma peça como objectivo definido. Com as participações de Denis Lavant, Edith Scob, Eva Mendes e Kylie Minogue. Indispensável!

 

Ver também

Holy Motors (2012)

DVD / Holy Motors

 


publicado por Hugo Gomes às 13:31
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Jeannette, l'enfance de J...

Visages, Villages (2017)

Cannes! Here I go.

Trailer: Claire's Camera,...

Sónia Braga será Irmã Lúc...

Conheçam o Palmarés do 14...

Trailer da sequela de Bue...

Primeiras imagens do novo...

Trailer de «Jeannette», u...

Morreu Nelson Xavier

últ. comentários
Malick não anda bem. Não acho que seja preguiça. S...
Vi. Infelizmente. Ridículo. Excalibur de John Boor...
Um grande ator também do teatro brasileiro.
A Sônia Braga é fantástica! Esperemos que seja mel...
Mais um filme estrangeiro para a lista!
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO