Data
Título
Take
6.1.14

Na condição de escravo!

 

O químico e escritor italiano Primo Levi escreveu em 1947 o livro Se Isto é um Homem, as suas memórias no campo de concentração de Auschwitz que funcionou não como um detalhado retrato das suas vivências perante tal desolador cenário, mas um estudo à própria condição humana. O que leva a homens a assassinar outros homens? A catalogá-los de seres inferiores ou de retira-lhes qualquer humanidade existente? Primo Levi incutiu tais dilemas numa frieza sem precedentes, tornando não só a sua obra num dos mais importantes registos literários e memorialísticos do século XX, como também numa crucial viagem à natureza do ser humano, a sua necessidade para o mal e a incompreensão dos demais. Contudo, longe do Holocausto surge-nos as memórias de Solomon Northup, um negro livre de uma América dividida entre ideais e éticas no século XIX, cujo destino atraiçoam-no quando é sequestrado e vendido como um escravo. Tal como acontecera com Primo Levi nas suas reminiscências escritas, Solomon teve que adaptar-se, não ao cenário a que se encontrava exposto, mas à aceitação de tal destino, "abraçar" o vazio emocional até à própria negação da vida anteriormente vivida.

 

 

Nesta jornada que vai de encontro com uma América que tenta forçosamente esquecer, Steve McQueen, o realizador de Hunger e Shame, incute uma demanda não só visualmente perturbadora, mas também a emoção. Tirando um ou outro "pico" explosivo, 12 Anos Escravo é até grande parte da sua narrativa, uma fita fria com claras preocupações na estética e nos contornos dos recursos académicos, o que é valioso pois a terceira longa-metragem de McQueen é até à data o seu filme mais ambicioso e luxuoso em termos produtivos, mas o autor consegue orquestrá-lo sem a utilização de valores classicamente pré-estabelecidos. Outro factor de perícia por parte da direcção do realizador Steve McQueen (não confundir com o actor de Bullitt e Papillon) é o uso da banda sonora, um dos portentos emocionais da obra que ecoa de forma gloriosa na sua narrativa, para além das partituras de Hans Zimmer terem tons fantasmagóricos.

 

 

Apesar do tema da escravidão e a abolição da mesma terem-se tornado numa "mina de ouro" de Hollywood, este 12 Years a Slave não é de perto nenhum Django Libertado. A verdade é que longe do jubilo criativo de Tarantino, a vingança que os afro-americanos nunca "saborearam", a obra de McQueen assume-se como um retrato não só de uma época onde a escravidão era um negócio sustentável e essencial de uma nação, mas a sobrevivência de um homem perante o país que o traiu. Encarando tal facto, Chiwetel Ejiofor é um mártir, uma base fundamental para todo esse existencialismo, desde o desenvolvimento que consegue auferir ao seu personagem até a própria condição que consegue emergir sobre esta capa meramente cinematográfica. O actor nigeriano é também um dos vários códigos emocionais trazidos pela nova obra do realizador.

 

 

Para além dele, esta viagem por um EUA negro e constantemente exorcizado nos tempos actuais é servido por excepcionais desempenhos, com claro destaque para a Lupita Nyong'o, que partilha o mesmo fardo que o protagonista, mesmo sob uma prestação tenebrosamente sofredora e de Michael Fassbender (o actor "fetiche" do realizador), aqui a personificar toda a banalidade do mal existente. Tudo graças a um desempenho sólido e psicótico que promete causar ódios e culminar em reflexões. Pena apenas que Steve McQueen quase "enfia os pés pelas mãos" quando decide inserir um debate moralmente ético entre a figura antagonista com um Brad Pitt disfarçado de canadiano. O intuito deste extenso dialogo é nobre, mas arriscou-se em tornar-se rebuscado perante a própria composição da fita. Felizmente, o realizador soube então compensar com um longo plano sequência mórbido, mas que nunca cede ao cansaço. Aliás, tal cena é de tirar o fôlego, o climax de toda esta epopeia e sim a explosiva emotividade que se ansiava.

 

 

Devido a este tormento, algures entre o artístico e a invocação de realismo no seu mais puro estudo, esgota-se o "stock" emocional, que bem poderia ser atribuído ao desfecho. Porém, e infelizmente, este escorrega perante automatismos que só Chiwetel Ejiofor consegue escapar, carregando o resto do filme até aos iminentes créditos finais. Mesmo assim, 12 Years a Slave é de facto uma viagem obrigatória e suficientemente forte para perdurar. O melhor filme de Steve McQueen.

 

"I don't want to survive. I want to live."

 

Real.: Steve McQueen / Int.: Chiwetel Ejiofor, Michael Fassbender, Lupita Nyong'o, Brad Pitt, Benedict Cumberbatch , Quvenzhané Wallis, Scoot McNairy, Paul Dano, Sarah Paulson

 

 

Ver Também

Shame (2011)

Hunger (2008)

 

8/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 18:19
link do post | comentar | partilhar

2 comentários:
De Gustavo a 5 de Fevereiro de 2014 às 20:07
Sinceramente não gostei, quer dizer ele não faz absolutamente nada para fugir daquela situação, parece um cobarde.


De Lia a 7 de Maio de 2014 às 18:21
Na minha opinião esperava mais deste filme, tinha a expectativa elevada por ganhar um Oscar. No entanto o tema escravidão em Hollywood já é muito "batido" e a história decorreu sem nenhuma novidade, o título esclarece o filme todo. Dou 4* ao filme pela interpretação dos atores e os cenários.

Sigam o meu Blog: http://beautifuldreams.blog.pt/
E "Like Me" no facebook:
https://www.facebook.com/beautifuldreams.blog.pt


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Jean-Pierre Verscheure na...

KINO regressa com a sua 1...

Trailer de Ghostland, o n...

Clive Owen junta-se a Wil...

Leonardo DiCaprio protago...

John Wick será série de t...

Quote #09: Body Snatchers...

Jeanne! será o próximo fi...

Pop Aye (2017)

Quote #8: All Abou Eve (J...

últ. comentários
Este gênero nunca foi um dos meus preferidos, póre...
Concordo, "Índice Médio de Felicidade" e "Malapata...
O "São Jorge" é até agora o meu preferido, mantend...
Vi hoje, Robert Pattinson no seu melhor! Que venha...
Uma das maiores surpresas do ano, mesmo sendo do W...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO