Data
Título
Take
17.10.13

 

O indie intencionado!

 

Noah Baumbach levou a Nouvelle Vague para Hollywood, uma influência tão presente na sua forma como a perseverança da fotografia monocromática digna de um dos melhores exemplares de Woody Allen, Manhattan. Contudo Frances Ha não é somente estilo e experimentalidade, é sim um filme que reserva uma mensagem tão pessoal como activa na sociedade actual que vivemos. A maturidade cada vez mais tardia e a independência pessoal consecutivamente adiada encontram-se vincadas na personalidade da homónima protagonista, Greta Gerwig no seu melhor.

 

 

Ela compõe um personagem de difícil interacção com o público, uma figura caótica e auto-destrutiva, uma jovem sem planos definidos cujo seu egoísmo (por vezes a ausência dele) e a conformidade com que encara o seu quotidiano, são como "armas maciças" que versa a sua jornada pessoal. Talvez o facto de ser uma personagem demasiado estranha para o espectador e a narrativa algo alternativa auferida por Noah Baumbach, não tornam Frances Ha em nenhum sintetizador de emoções. Mas mesmo assim, nada impede que a obra, perante tal extensa máscara, não consiga demonstrar o seu lado mais sentido, espelhado um retrato que se revela identificar com cada um de nós, o auge da concretização pessoal descrita nos primeiros passos emancipadores da protagonista. É que minutos após do seu desfecho, deparamos nós próprios com uma autónoma vontade de mudar, batalhar pelo destino negado e acima de tudo, crescer. Sem o auxilio de qualquer artificio que manipule o sentimento do espectador, Frances Ha se exibe como um sincero "mensageiro".

 

 

Nada de emoções bacocas, ênfases dramáticas ou de formatações baratas e revistas no cinema mais académico, tudo a cru e "despido" que até mesmo a referida fotografia, da autoria de Sam Levy, se revela como uma exposição quanto a sua falta de intrusão para com os sentimentos do espectador. Aliás, minto, o único momento que nos sentimos verdadeiramente manipulados (porém sem sendo algo de nocivo) é na maravilhosa sequência em que assistimos a por vezes graciosa Greta Gerwig, correndo e pulando de jeito sincronizado ao som do vibrante Modern Love de David Bowie (uma clara referência a Mauvais Sang, de Leos Carax), como um musical anos 80 se tratasse. É por estas e por outras que Frances Ha consegue ser um portento trabalho de direcção. Um dos melhores indies que temos o privilégio de assistir.

 

"Sometimes it's good to do what you're supposed to de when you're supposed to do it."

 

Real.: Noah Baumbach / Int.: Greta Gerwig, Mickey Sumner, Adam Driver

 


 

Ver Outros

C7nema / «Frances Ha» por Hugo Gomes

 

10/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 00:57
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

The Shape of Water (2017)

Wonder Wheel (2017)

Molly's Game (2017)

"Life find a way": Traile...

Ryan Reynolds será Pikach...

Quentin Tarantino vai rea...

Novo trailer de Bad Inves...

No Escurinho do Cinema: a...

Conheçam os vencedores do...

Isle of Dogs abre 68º Fes...

últ. comentários
Uma das maiores surpresas do ano, mesmo sendo do W...
I bought Raytheon on this site, I do not know whet...
Muito ansioso, especialmente por ser do Wes Anders...
ou seja, uma bosta de comentario de quem nao enten...
Obrigado pelo reparo, corrigido ;)
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO